quinta-feira, março 24, 2011

I Fórum Nacional das ONGs do Patrimóno – uma estratégia para o séc. XXI, Casa da Música, Óbidos, 9 e 10 de Abril



I Fórum Nacional das ONGs do Patrimóno – uma estratégia para o séc. XXI, Casa da Música, Óbidos, 9 e 10 de Abril

Espera-nos uma época de insegurança e de fracturas nas quais a sociedade civil, esse espaço de liberdade, se arrisca a ficar, amordaçada. Michel Doucin

APRESENTAÇÃO A AHP cônscia da importância do papel das ONGs , promove o 1º Fórum Nacional das ONGs do Património. É o primeiro Fórum de todas as ONGs que se realiza em Portugal. . http://www.ahp-aldeiashistoricasdeportugal.com/

Sem a participação da sociedade civil, constituída por cerca 140 ONGs do Património cultural, com mais de 50.000 de cidadãos– número porventura maior e mais representativo do que têm os partidos políticos – e que querem exercer o direito de cidadania, não há futuro para o Património, não há democracia dentro da reformulação das estruturas de poder mundial, regional e nacional, que a crise mundial promove.

OBJECTIVO Desconhecia-se o seu número, parecia irrelevante a sua grandeza frente à indiferencia com que as tratam os poderes locais e central.

HOJE - É de vital importância para a sobrevivência da democracia, em Portugal, que as ONGs estejam mobilizadas, cimentadas, reforçadas. Não podem ser um conjunto de actores mal definidos e organizados.

HOJE a sociedade civil (ONGs) ocupa o espaço mítico da Ágora – um espaço não governamental , essencial para a democracia, onde se organiza o debate público , onde se faz o verdadeiro exercício da cidadania.

HOJE a sociedade civil (ONGs) afirma-se como uma força diferente em relação aos outros actores – pela ética!

HOJE é Essa a sua força, aí reside a diferença essencial – a afirmação de uma ética, de uma moral! Hoje é ela a sua guardiã da e responsável pela sua introdução na intervenção pública.

HOJE , Chegou a altura de repensar o papel das ONGs para agora, para o seu futuro, para o séc. XXI.

Enviar um comentário