domingo, junho 11, 2006

Património a visitar

Castelo do Sabugal


O castelo do Sabugal está situado, na Cidade do Sabugal sobre um outeiro na margem direita do rio côa. A povoação do Sabugal tem origens lusitanas, conhecem-se inscrições que nos permitem dizer que as terras de riba côa eram provavelmente habitadas por um povo chamado Transcudani como aliàs o prova uma epígrafe situada na Ponte de Alcântara na província de Cáceres Espanha.
Sabe-se tambem da ocupação Romana como alias se depreende dos vestígios existentes, como pedras almofadadas, e Tegulae As excelentes condições geo-estratégicas do Sabugal fizeram com que Afonso IX de Leão permitisse a separação do Sabugal do conselho de Ciudad Rodrigo dando carta (Alfoz) ao Sabugal e ao mesmo tempo mandou reconstruir a fortaleza já ai existente.
Só em 1297 o Sabugal passou de vez a ser territorio nacional através da assinatura do Tratado de Alcanizes (povoação Espanhola perto de Zámora). Tendo D. Dinis mandado reconstruir a fortaleza tendo entregue tal tarefa ao arquitecto Frei Pedro Do Mosteiro de Alcobaça, as obras começaram por volta de 1297 terminando em 1303.
No que diz respeito ao Castelo ele foi construído de raiz por ordem de D. Dinis, terá sido construído sob uma da parte da cerca defensiva Leonesa como se pode observar na parte NO do Castelo onde se pode observar a diferença no aparelho de construção, da parte Leonesa ainda é possível ver vestígios das escadarias leonesas que levariam ao adarve, parte da muralha que servia para patrulha, isto quer fora quer dentro do castelo ou da cidadela melhor dizendo.
É também fácil verificar que o castelo não foi construído na mesma altura que a cerca defensiva da povoação, comparando a cantaria de ambas construções. As muralhas apresentam grosseiros e toscos silhares de granito, assentes sem argamassa, enquanto que Na cidadela se observa a conjugação de dois tipos de aparelho: a cantaria granítica e a alvenaria de xisto argamassado.
A construção duma torre de menagem de cinco quinas adossada à cidadela foi outra das medidas defensivas de D. Dinis como é confirmado pelo seu escudo de armas inserido em duas faces da muralha foi edificada no ponto mais elevado do outeiro com o objectivo de compensar a sua localização extremada a poente do aglomerado, pois do cimo da construção obtém-se um óptimo controlo visual das terras planálticas da Meseta.
Esta torre e um perfeito exemplo da arquitectura militar gótica como se pode constatar pela sua localização exterior as muralhas e por estar junto à porta de entrada em regra a parte mais sensível do castelo, quer pela sua forma pentagunal e utilização de balcões com mata cães um sistema de tiro vertical que é o maior exemplo defesa activa, provavelmente o balcão com mata cães é uma invençao militar portuguesa, o que e certo e que foi Portugal o palco perfeito para a sua utilização e afirmação como sistema defensivo .
A estrutura destaca-se pelos seus 28 metros de altura e pelos seus balcões com mata cães em cada uma das suas faces do 3º. Piso, até ao 1º andar a torre é maciça, como se concluí-o em trabalhos arqueológicos realizados recentemente pelo arqueólogo Marcos Osório no seu interior, ao contrário do que se pensava no início deste século, quando se acreditava ter uma grande cave cheia de riquezas.
As cinco quinas da torre são um dos ex. – libris da Cidade do Sabugal.
Falta referir ainda outro importante estilo arquitectónico e militar representado no actual Castelo do Sabugal, correspondente à intervenção Manuelina durante este periodo houve introdução de novas técnicas construtivas e defensivas.
Em 1811 o castelo serviu como base de apoio as tropas luso-britanicas no combate contra Massena.
Durante as convulsões da 1ª metade do século XIX (1846) a praça de armas foi entulhada e convertida em cemitério, o que implicou a destruição do que restava dos edifícios da cidadela. O espaço constituiu o cemitério da Vila até cerca 1925, quando foi transferido para o actual lugar.
Os Monumentos Nacionais executaram alguns trabalhos de restauro e preservação do imóvel na década de 30, procurando manter a originalidade possível, tendo também a mesma instituição em conjunto com a autarquia recentemente realizado obras de beneficiação da fortaleza tendo construído nela um palco e bancadas que de certo iram servir para transformar o espaço que tanto já deu ao Sabugal, num espaço vivo e centro de cultura onde se poderão realizar todo o tipo de espectáculos.
Enviar um comentário